Não pode mentir: veja os riscos de inventar informações no currículo

Escrito por Antonio Serra 25 de setembro de 2020

Consequência pode ser até uma demissão, caso mentira não seja reparada de primeira.

Há um dito popular que diz que mentira tem perna curta. Isso vale, inclusive, para o currículo. Uma pesquisa realizada pela consultoria DNA Outplacement aponta que 75% dos brasileiros mentem em seu currículo. Isso, no entanto, não favorece nem um pouco o candidato.

“Atualmente é muito fácil de checar as informações apresentadas pelos candidatos”, explica o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos – seccional Bahia, Wladimir Martins. Ele destaca que a identificação de dados falsos causa eliminação do candidato ainda no processo de triagem dos currículos. “O profissional do RH consegue fazer essa checagem com a faculdade, pelos sites das instituições e até mesmo pelas redes sociais. Hoje, existem diversos meios para verificação”.

Passar no processo seletivo pode até funcionar, mas, segundo o especialista, é possível ter as mentiras desmascaradas no dia a dia. “Se um funcionário afirma que fala inglês avançado, nós acreditamos que ele pode participar de uma reunião entendendo o que é dito ou até falando”. Ele completa exemplificando que, se uma reunião com pessoas de outro país a pessoa demonstrar não ter essa habilidade, a confiança é perdida.