TV Nube | Qual o papel do RH no bem estar dos colaboradores?

Escrito por Antonio Serra 21 de setembro de 2020

As mudanças ocorridas diante do cenário global de pandemia demandam novas formas de pensar a rotina. Uma das preocupações das empresas é com a o bem-estar dos contratados atuando remotamente. Assim, elas investem em ações para cuidar dos funcionários.

Os chamados benefícios invisíveis impactam diretamente no conforto e produtividade do empregado. Segundo estudo da Future Workplace, 67% dos trabalhadores afirmaram ser mais eficientes em locais nos quais existe a promoção de uma atmosfera saudável.

Assim, para aproximar e reter gente qualificada, é preciso se preocupar com a saúde física da equipe, bem como promover a liberdade para propor novas ideias. Em tempos de trabalho remoto integral, também é preciso se atentar para as condições do time em casa.

Papel do RH

A área de recursos humanos tem um papel estratégico. Afinal, é responsável por atrair, reter e motivar os melhores talentos. Em um cenário como o atual, essa missão é ainda mais acentuada, tendo em vista as consequências da pandemia e do distanciamento social na integridade dos colaboradores.

“Hoje o RH precisa estar à mesa, discutindo as estratégias do ambiente organizacional. Não mais só naqueles momentos nos quais se discutia a respeito de produto e da área comercial de atuação da organização, mas sim das pessoas inseridas nesse ambiente e como elas podem contribuir efetivamente para o resultado”, afirma Wladimir Martins, presidente da ABRH – Bahia,

Ansiedade e insegurança

Atualmente, é possível observar um desgaste emocional muito alto dos colaboradores. Afinal, além da cobrança em relação às metas do mundo corporativo, encontramos a soma do medo causado pela pandemia, a enxurrada de trágicas notícias, dificuldades do home office e o distanciamento social.

Segundo pesquisa do Nube, mais de 35% das pessoas apresentam ansiedade e insegurança por causa da crise. Por isso, a saúde mental dos trabalhadores é uma das maiores preocupações do momento. “O RH precisa focar nesse tema, até mesmo pensando do ponto de vista empresarial, no qual existem metas para serem atingidas. Para o trabalhador dar frutos, ele precisa estar bem, integrado ao ambiente e apto para realizar suas demandas”, explica Karla Kan, gestora do Departamento de Gestão Corporativa da Regional Salvador – Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf).

Olhar atento

É importante as organizações e gestores estarem sempre atentos aos sinais dados pelos profissionais quando algo não vai bem. Além de manter um canal sempre aberto para o diálogo e identificação de possíveis problemas, é necessário buscar alternativas para trazer mais qualidade de vida e, consequentemente, melhores resultados para a corporação.

Como alternativa para minimizar os impactos, é indicado realizar rodas de conversa semanais, com um bate-papo sem abordar metas ou resultados. Também é importante abrir canais de comunicação sistêmicos e ativos, ferramentas para medir o grau de adesão e participação, implantação de sistemas e programas de feedback, além de proporcionar momentos leves, nos quais as pessoas exponham como está sendo a rotina dentro de casa, os conflitos, as dificuldades ou desabafos além das questões profissionais.

Outro ponto chave é a empatia. O negócio deve ter canais para escutar o funcionário e dar uma resposta às necessidades dele, mesmo se for negativa. O trabalhador deve se sentir confortável e confiante, como se o empreendimento estendesse a mão. O setor de RH precisa elaborar ações para a instituição ser um porto seguro.

Ficou interessado? Então, assista o novo vídeo da TV Nube!

Assista clicando aqui.