SUSTENTABRH 2016 - A sustentabilidade na pauta do RH



Gestores de pessoas e profissionais de RH reuniram-se no Sheraton WTC Hotel, na capital paulista, para debater um assunto recorrente nas empresas: no último dia 17, o SUSTENTABRH – 2º Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade fez um chamado aos responsáveis pela gestão de pessoas nas organizações sobre o seu papel na construção de uma cultural sustentável.

Durante o evento, que teve como tema O RH engajado na sustentabilidade do negócio, especialistas traçaram cenários presente e futuro, sugeriram possíveis caminhos para promover a perenidade das empresas de forma ética e sustentável e responderam aos questionamentos do público.

Um dos diferenciais do fórum é o seu formato interativo com a plateia, o que o torna um espaço legítimo de debate: antes das sessões de perguntas, os participantes, divididos em grupos, trocam ideias sobre os temas apresentados a fim de formular suas questões.

Itinerante, o SUSTENTABRH 2016 foi realizado pela ABRH-Brasil em parceria com a ABRH-SP e contou com o patrocínio da Unibrad – Universidade Corporativa Bradesco. Confira alguns destaques nas fotos a seguir:

FOTO 1

Coordenadora do fórum, Glaucimar Peticov, diretora de Geração e Gestão de Conhecimento e Conteúdo da ABRH-Brasil e diretora de RH do Bradesco, deu as boas-vindas aos participantes.

FOTO 2

Depois de recepcionar a plateia, Theunis Marinho (em pé) presidente da ABRH-SP, coordenou o primeiro painel. O professor Heiko Hosomi Spitzeck (esq.), gerente do Núcleo de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral, apresentou dados de um estudo em andamento na FDC que revela o despreparo dos líderes para tratar das questões inerentes ao negócio sustentável; ele alertou para a parcela de responsabilidade do RH nisso. Já Renato Moya, gestor de Projetos GVces – Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-Eaesp, falou do ISE – Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBovespa, que apoia as decisões dos investidores em dois aspectos: socioambiental e governança corporativa. Na sua visão, o engajamento das grandes empresas no tema é de alta relevância, pois elas têm o poder de influenciar toda a sua cadeia produtiva na adoção de uma cultura voltada à sustentabilidade.

FOTO 3

Marina Grossi, presidente do CEBDS – Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável, foi categórica ao afirmar que a competitividade cega as pessoas e compromete seriamente a sustentabilidade. Ainda de acordo com ela, o RH pode contribuir de forma efetiva se, nos processos de Recrutamento e Seleção, optar por profissionais que tenham uma visão sistêmica sobre como a sustentabilidade permeia todas as áreas da empresa. Marina também ressaltou que cada empregado é um multiplicador da companhia, por isso é imprescindível levar em consideração o seu bem-estar e o seu engajamento com a comunidade.

FOTO 4

A partir de sua própria história de vida, Tiemi Yamashita, da Teia Projetos Socioambientais, envolveu os participantes em uma reflexão sobre o consumo consciente na palestra Mottainai – Elimine o desperdício. Mais do que um apelo ao não desperdício, afirmou, Mottainai é uma nova visão de sustentabilidade, a de não sermos dignos dos recursos a que temos acesso por usá-los de forma desenfreada, consumista e negligente – em japonês, explicou, “Mottai” significa “ser digno” e “Nai” quer dizer “não”. Ela orientou as pessoas em três passos de conscientização: dar valor aos recursos, “reconhecer” toda a cadeia que os recursos envolvem e ter gratidão por ter acesso a esses recursos.

FOTO 5

No painel conduzido por Glaucimar, a professora Marisa Eboli, coordenadora do curso de Gestão da Educação Corporativa da FIA, citou estudos que denotam o baixo comprometimento das lideranças com a sustentabilidade e destacou a educação corporativa como um vetor de mudança cultural para reverter esse quadro. “Educação e ética são indissociáveis da sustentabilidade”, frisou. Ao enfatizar que sustentabilidade é um alvo móvel e não um ponto de chegada, Virgilio Viana, superintendente geral da FAS – Fundação Amazonas Sustentável, falou da necessidade de as empresas empoderarem as pessoas para que elas possam desenvolver ideias criativas e sustentáveis para o negócio. Glaucimar complementou: “Temos o desafio de encantar as equipes para serem protagonistas de ações voltadas à sustentabilidade”.

FOTO 6

Inclusão financeira para promover a sustentabilidade foi o case apresentado por Octavio de Lazari Junior, diretor executivo do Bradesco, que deu os detalhes de como a empresa tem modificado a realidade de comunidades do Amazonas por meio de iniciativas como os correspondentes bancários e as agências flutuantes. Uma experiência que tem propiciado não só o desenvolvimento local como a expansão dos negócios da própria empresa.

FOTO 7

Além de “mestre de cerimônias” e coordenadora das apresentações, Françoise Trapenard, diretora da ABRH-Brasil, protagonizou a última atividade do dia – O que levamos para casa – com as principais conclusões do fórum.



0 visualização

Av. Tancredo Neves, nº 3343. Salvador/Bahia.

Tel. (71) 3341-0877
Whatsapp. (71) 99901-3360
  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • Twitter
Afiliada à

© 2019, ABRH-BA, Todos os direitos reservados.