Diretora Regional da ABRH, Ana Claúdia Athayde, fala sobre como impressionar na seleção de emprego


Entre os fatores eliminatórios em uma fase mais avançada de seleção estão o vocabulário escasso e a escrita errada

Quando chega a hora de ir para a entrevista de emprego, bate o nervosismo, a ansiedade e, em muitos, dá aquele ‘branco’. É normal ter dúvidas e ficar nervoso em um momento decisivo para a carreira profissional. Tem sucesso, no entanto, aquele candidato que já arremata fatores cruciais, como pontualidade e vestimenta, e consegue lidar da melhor forma com a pressão.

Os avaliadores observam o quanto a pessoa consegue ser natural e sincero, mesmo com o nervosismo. “Ser sincero e natural são dois pontos muitos importantes. Tem gente que decora o que vai falar ou não olha no olho. Ele tem que respirar e tentar responder com leveza”, conta a coordenadora de treinamento do Núcleo Brasileiro de Estágio (Nube), Rafaela Gonçalves.

Para se sair bem em uma entrevista, alguns pontos são básicos, mas decisivos.“Tudo é levado em consideração e analisado minuciosamente pelos selecionadores. Ser pontual, ter uma boa postura, se vestir adequadamente, não falar gírias e não mentir no currículo, são, talvez, os quesitos mais importantes”, afirma a diretora regional da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Ana Claudia Athayde.


Para se arrumar, a dica que ela dá é verificar qual a demanda de traje do local de trabalho e atentar-se à roupa e a maquiagem para manter o perfil profissional. Atrasos também são vistos negativamente, por isso, “é bom chegar no local com, pelo menos, 30 minutos de antecedência”.

O que muitos candidatos não levam em consideração é que saber sobre a empresa e estar bem informado é crucial. Segundo Rafaela Gonçalves, as seleções costumam perguntar sobre os pontos fortes e fracos do candidato, e até como ele se imagina em cinco anos.

Perguntas como “qual sua maior qualidade?”, “por que quer essa vaga?” e “quem é você?”, apesar de simples, são as mais difíceis de responder. Por isso, se conhecer faz toda a diferença. “Ele tem que saber quem é, de onde veio e para onde quer ir. Precisa saber por quê está ali e o que ele pode agregar para a empresa. Se ele tem dificuldade para falar sobre si mesmo, dificilmente será escolhido”.

Entre os fatores eliminatórios em uma fase mais avançada de seleção estão o vocabulário escasso e a escrita errada. De acordo com Rafaela, “nos treinamentos do Nube, 40% dos candidatos reprovam no ditado. A redação é a segunda etapa que mais elimina”.


0 visualização

Av. Tancredo Neves, nº 3343. Salvador/Bahia.

Tel. (71) 3341-0877
Whatsapp. (71) 99901-3360
  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • Twitter
Afiliada à

© 2019, ABRH-BA, Todos os direitos reservados.