Por onde cavalgam os unicórnios?



Artigo elaborado pelo Grupo de Práticas Liderança Transformadora

Autores: Coordenação: Priscila Leal Camila Roxo

“Empresas Unicórnios”, “Organizações e Resultados Exponenciais”, “ExOs”... de repente, tem se ouvido muito falar destas denominações, sem perceber quando tudo começou. Mas, então, quando começamos a falar tanto disso? Foi assim mesmo, de repente e exponencialmente que este se tornou o tema do momento. O conceito de Organização Exponencial surgiu, segundo Disco & Van Der Meulen (1998) citados por Gabriel Santos, quando o cofundador da Intel, Gordon Moore, em 1965, previu que a capacidade de processamento da computação dobraria a cada 18 meses. Porém, somente em 2009 que tal conceito começou a ser amplamente difundido e aprofundado com a comunidade global, que utiliza tecnologias exponenciais no enfrentamento de desafios mundiais, a Singularity University; e com a obra Organizações Exponenciais: por que elas são 10 vezes melhores, mais rápidas e mais baratas que a sua (e o que fazer a respeito).

Para melhor compreendermos por onde cavalgam essas “Empresas Unicórnios”, ou quais características e práticas adotadas por estas organizações que atingem rapidamente o valor de 1 bilhão de dólares ou mais, antes de abrir seu capital em bolsa de valores. Logo, precisamos nos aprofundar em outro termo já conhecido mais amplamente: as startups. As startups já são uma realidade para o mundo, e devido ao aumento significativo do surgimento e ascensão de muitas delas, vêm recebendo grande atenção tanto no mundo corporativo quanto no mundo acadêmico, como afirmam Rostek & Skala (2016).

Apesar disso, ainda é um fenômeno recente e por isso há uma enorme quantidade de definições na literatura. Em todos os conceitos e definições encontrados podemos identificar um ponto em comum que, segundo Mauri (2017), está ligado aos empreendimentos que tem seu surgimento associado a uma ideia inovadora.

Já sendo utilizado a décadas em algumas partes do mundo, como nos Estados Unidos e só se tornando mais comum no Brasil nos anos 90, o termo startups se refere a empresas nascentes, de pequeno porte, que atualmente tem a tecnologia como um fator central do negócio.

Logo, no mundo dos investimentos surgiu uma gíria, para essas startups que obtiveram enorme e recente sucesso, crescendo em ritmo acelerado e ganhando rapidamente os mercados mundiais: as “Unicórnios”. Na imagem abaixo, publicada na Insider Pro, é exemplificada algumas Unicórnios versus o tempo necessário para superar US$ 1 bilhão.


Desta forma, novos estudos passaram a tentar explicar estes fenômenos e quais os segredos para tal crescimento desproporcionalmente grande, pelo menos dez vezes maior comparado aos de seus pares. Ou seja, o que leva os unicórnios aos seus resultados exponenciais?

Gabriel Santos, em sua tese publicada este ano (2018), aprofundou essa discussão trazendo contribuições de diversos autores que caracterizam as organizações exponenciais. No quadro abaixo o autor apresenta as principais diferenças trazidas pelos autores estudados entre as organizações lineares e as exponenciais:

Características:


Além disso, Salim Ismail em seu artigo intitulado: “Os Segredos das Empresas Unicórnios” cita como têm explorado estas questões em seu livro com Mike Malone e Yuri van Geest, bem como, elaborado um guia para a construção das “Unicórnios”.

O mesmo afirma que sua tese se baseia no fato das unicórnios terem descoberto como escalar as suas estruturas de organização de uma maneira completamente nova. O nome para isto é Organizações Exponenciais.

A partir da pesquisa realizada pelos autores, Salim Ismail estabelece, em seu artigo, um mecanismo de 10 passos para a construção de uma organização altamente escalável listadas abaixo, em suas palavras:

1. Selecione um Propósito Transformativo Massivo (ou PTM); 2. Junte-se ou crie comunidades relevantes; 3. Reúna uma equipa de fundadores (O autor recomenda: um visionário, um especialista em UX, um guru de engenharia e um especialista em negócios / finanças); 4. Selecione uma ideia inovadora que proporcione uma melhoria mínima de 10x sobre o estado atual; 5. Construa o seu Modelo de Negócio em Telas; 6. Encontre o seu modelo de negócios; 7. Construa o Produto Mínimo Viável (ou PMV); 8. Valide canais de marketing e vendas; 9. Organize tudo para que o núcleo de funções críticas da missão esteja a acontecer fora do núcleo da organização; 10. Aponte ser uma plataforma.

Percebe-se que ainda há muito para se descobrir sobre os caminhos trilhados pelas “Empresas Unicórnios”, contudo, os caminhos já percorridos nos apontam para uma direção segura que envolve propósito transformador, relevância para a sociedade/comunidade, pensamento destrutivo, metodologias ágeis, inovação e tecnologia.

Referências Bibliográficas: ISMAIL, S. O Segredo das Empresas Unicórnios. Insider PRO, 2015. Disponível em: < https://pt.insider.pro/technologies/2015-04-11/os-segredos-das-empresas-unicornio/> Acesso em: 25 de Agosto de 2018. MAURI, G. N. et al. Startups no agronegócio brasileiro: uma revisão sobre as potencialidades do setor. Brazilian Journal of Production Engineering-BJPE, v. 3, n. 1, p. 107-121, 2017.

ROSTEK, K.; SKALA, A. Differentiating Criteria and Segmentation of Polish Startup Companies. Warsaw University of Technology, vol. 15, n. 1 (65), p. 192 – 208, 2016.

GRUPO DE PRÁTICA LIDERANÇA TRANSFORMADORA

SANTOS, G. Organizações Exponenciais: uma análise do desenvolvimento de startups na incubadora MIDI Tecnológico. Tese (doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

exemplificada algumas Unicórnios versus o tempo necessário para superar US$ 1 bilhão.

#abrh #grupodepráticas

73 visualizações

Av. Tancredo Neves, nº 3343. Salvador/Bahia.

Tel. (71) 3341-0877
Whatsapp. (71) 99901-3360
  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • Twitter
Afiliada à

© 2019, ABRH-BA, Todos os direitos reservados.